Inglês 6ºano - Plano de ensino BNCC - 1ºbimestre

Sugestões de atividades para este plano (links)
Classroom Language
Spelling Bee
Cristiano Ronaldo Fast Facts
Produção de fichas informativas de países
Global Citizenship (word cloud)
Sugestão de projeto integrador

Eixo Oralidade
Objetos de conhecimento
Construção de laços afetivos e convívio social 

  • Funções e usos da língua inglesa em sala de aula (classroom language)
  • Estratégias de compreensão de textos orais: palavras cognatas e pistas do contexto discursivo 
  • Produção de textos orais, com a mediação do professor

Habilidades
(EF06LI01)
Interagir em situações de intercâmbio oral, demonstrando iniciativa para utilizar a língua inglesa.

(EF06LI02) Coletar informações do grupo, perguntando e respondendo sobre a família, os amigos, a escola e a comunidade.

(EF06LI03) Solicitar esclarecimentos em língua inglesa sobre o que não entendeu e o significado de palavras ou expressões desconhecidas.

(EF06LI04) Reconhecer, com o apoio de palavras cognatas e pistas do contexto discursivo, o assunto e as informações principais em textos orais sobre temas familiares.

(EF06LI05) Aplicar os conhecimentos da língua inglesa para falar de si e de outras pessoas, explicitando informações pessoais e características relacionadas a gostos, preferências e rotinas.

Eixo Leitura
Objetos de conhecimento
Hipóteses sobre a finalidade de um texto 

  • Compreensão geral e específica: leitura rápida (skimming, scanning)
  • Construção de repertório lexical e autonomia leitora
  • Partilha de leitura, com mediação do professor 

Habilidades
(EF06LI07)
Formular hipóteses sobre a finalidade de um texto em língua inglesa, com base em sua estrutura, organização textual e pistas gráficas.

(EF06LI08) Identificar o assunto de um texto, reconhecendo sua organização textual e palavras cognatas.

(EF06LI09) Localizar informações específicas em texto.

(EF06LI11) Explorar ambientes virtuais e/ou aplicativos para construir repertório lexical na língua inglesa.

(EF06LI12) Interessar-se pelo texto lido, compartilhando suas ideias sobre o que o texto informa/comunica.

Eixo Escrita
Objetos de conhecimento
Planejamento do texto: brainstorming 

  • Planejamento do texto: organização de ideias
  • Produção de textos escritos, em formatos diversos, com a mediação do professor

Habilidades
(EF06LI13)
Listar ideias para a produção de textos, levando em conta o tema e o assunto.

(EF06LI14) Organizar ideias, selecionando-as em função da estrutura e do objetivo do texto.

(EF06LI15) Produzir textos escritos em língua inglesa (histórias em quadrinhos, cartazes, chats, blogues, agendas, fotolegendas, entre outros), sobre si mesmo, sua família, seus amigos, gostos, preferências e rotinas, sua comunidade e seu contexto escolar.

Eixo Conhecimentos Linguísticos
Objetos de conhecimento

  • Construção de repertório lexical 
  • Pronúncia
  • Presente simples e contínuo (formas afirmativa, negativa e interrogativa)
  • Imperativo 
  • Caso genitivo (‘s) 
  • Adjetivos possessivos

Habilidades
(EF06LI16)
Construir repertório relativo às expressões usadas para o convívio social e o uso da língua inglesa em sala de aula.

(EF06LI17) Construir repertório lexical relativo a temas familiares (escola, família, rotina diária, atividades de lazer, esportes, entre outros).

(EF06LI18) Reconhecer semelhanças e diferenças na pronúncia de palavras da língua inglesa e da língua materna e/ou outras línguas conhecidas.

(EF06LI19) Utilizar o presente do indicativo para identificar pessoas (verbo to be) e descrever rotinas diárias.

(EF06LI23) Empregar, de forma inteligível, os adjetivos possessivos.

Eixo Dimensão Intercultural 
Objetos de conhecimento
Presença da língua inglesa no cotidiano.

Habilidades
(EF06LI25)
Identificar a presença da língua inglesa na sociedade brasileira/comunidade (palavras, expressões, suportes e esferas de circulação e consumo) e seu significado.

Sugestões de atividades recorrentes
Sugerimos propor aos alunos que se lembrem de palavras em inglês que costumam ver ou ouvir em seu cotidiano e façam uma listagem. Convidá-los a lê-las em voz alta, prestando atenção à pronúncia. Eles devem buscar outras palavras que tenham pronúncia semelhante, a fim de identificarem alguns padrões (por exemplo: drive e live; software e hardware etc.). Se possível, os alunos podem gravar as pronúncias. 

Sempre que os alunos tiverem contato com textos que tragam vocábulos que eles ainda não conhecem, propor que tentem identificar quais sentidos seriam possíveis para aqueles termos com base no contexto. Essa análise pode ajudá-los a restringir os termos possíveis, aproximando-os de uma interpretação correta mesmo quando não chegarem a conclusões precisas (ou traduções). Por exemplo, em frases como “I play the drums”, mesmo sem conhecer o sentido de drums, os alunos podem inferir que se trata de um instrumento, de um jogo ou de um esporte. Você pode brincar de ocultar o termo e perguntar aos alunos que categorias caberiam ali. Outro exemplo pode envolver a descoberta do significado de um termo como pocket, por exemplo. Em uma frase como “I carry my wallet in my...”, pode-se fazer um levantamento com os alunos para que imaginem as palavras que fariam sentido nesse contexto (como bolsa, bolso, mochila etc.), de maneira a restringir as possibilidades e ampliar a compreensão dos alunos. Esse hábito contribuirá para a crescente autonomia dos alunos, sobretudo em contextos extraescolares.

Uma etapa de leitura que os alunos podem ser convidados a fazer em diversas oportunidades é o compartilhamento de impressões pós-leitura. Além da troca de opiniões acerca do assunto de cada texto e sobre as características dos textos em si (se são longos, curtos, sonoros, agradáveis de ler, complexos, interessantes etc.), os alunos também podem encontrar nesse compartilhamento uma oportunidade para aprimorar o processo de interpretação de texto. Havendo interpretações divergentes, podem retomar trechos específicos, reler e debater, de maneira a construírem coletivamente estratégias de compreensão leitora. 

Quando possível, propor aos alunos que façam pesquisas de textos (escritos e orais) originários de diferentes países. Trata-se de uma maneira de se familiarizarem continuamente com o fato de a língua inglesa ser usada amplamente ao redor do mundo e de conviverem com diversas variantes do inglês.

Como forma de consolidar conteúdos lexicais, você pode propor um bingo com a turma. Para tornar a atividade mais interessante, os alunos podem ajudar a criar o jogo. Para trabalhar com números, por exemplo, orientá-los a escrever entre sete e dez números em meia folha de papel, entre os números de 0 a 20 que aprenderam. Se desejar, incluir também o nome de algumas nacionalidades, países ou línguas, acordadas previamente com os alunos, ou outro conteúdo que já tenham estudado. Escrever os números (e as palavras, se incluídas) em pedaços de papel, dobrá-los e colocá-los em um saco para sorteio. Caminhar pela sala para que os alunos possam sortear e dizer os números (e os demais vocábulos). O aluno que tiver registrado aquele número ou palavra deve fazer uma marcação em sua folha. Ganha aquele que completar a folha primeiro.

Na sala de aula
A gestão de sala de aula pode ser desafiadora, especialmente em turmas muito heterogêneas e com situações de diversas naturezas. Por esse motivo, descrevemos algumas sugestões que podem ajudá-lo neste 1º bimestre.

Nos debates dos diversos assuntos, se julgar viável, os alunos podem iniciar as discussões em grupos menores e, depois, as conclusões podem ser compartilhadas com a turma toda, de modo que a troca de ideias seja aprofundada. Isso pode ajudar alunos tímidos e calados a participar dos debates de forma mais ativa. É importante respeitar esses alunos, pois caso se sintam expostos, podem ficar desmotivados, o que pode interferir no interesse pelo estudo da língua inglesa.

No 6º ano, o nível de conhecimento que os alunos têm acerca da língua pode ser muito diferente, uma vez que, para alguns, este é o primeiro contato com seu aprendizado, enquanto outros podem ter um repertório construído em contextos extraescolares. Por esse motivo, se algum aluno se desinteressar por partes da aula ou terminar as atividades antes dos colegas, uma estratégia pode ser estimulá-lo a contribuir com os colegas, de maneira que seu conhecimento prévio seja valorizado. Outra opção é dar a esses alunos atividades complementares, a fim de que se mantenham ocupados e entusiasmados. Selecionar atividades paralelas no material é fundamental para lidar com a variedade de conhecimentos dos alunos. Se a escola tiver acesso à internet, o professor pode oferecer textos extras, acerca dos assuntos trabalhados, e pedir que os alunos mais avançados identifiquem vocábulos que não conhecem e tentem inferir os significados com base nos contextos, por exemplo.

Como a maior parte dos alunos pode estar começando a construir repertório em inglês, é possível que se sintam inibidos nos momentos de interação. Por esse motivo, esclarecer que tanto a língua inglesa como a língua materna são bem-vindas, e que o aluno pode transitar entre elas conforme necessário. É importante explicar aos alunos que eles não devem ter pressa ou se sentirem ansiosos, uma vez que o conhecimento da língua estrangeira é construído lentamente. Assegurar-lhes de que, ao longo dos próximos semestres, eles se sentirão mais confiantes e poderão ser cada vez mais participativos. Ajustar as expectativas dos alunos também vai contribuir para que não se frustrem e se mantenham motivados

Os agrupamentos das turmas são um caminho para lidar com a inibição dos alunos que ainda não se sentem preparados para interagir ou mesmo ler palavras isoladas em inglês. À medida que os alunos se acostumarem a trabalhar em grupos, de forma colaborativa, poderão se familiarizar com a língua inglesa e contar com o apoio dos colegas do grupo para arriscar seu uso, mesmo quando não estiverem 100% seguros.

Acompanhamento das aprendizagens
O acompanhamento constante das aprendizagens dos alunos possibilita ao professor planejar estratégias para viabilizar o avanço de todos. Por esse motivo, descrevemos algumas sugestões que podem ajudá-lo neste 1º bimestre. 

Para acompanhar as habilidades orais, pode ser necessário organizar a turma em pequenos grupos, garantindo, assim, que os alunos não se sintam inibidos diante de muitos colegas. Você pode caminhar pela sala, visitando os grupos, observando a participação dos alunos, ouvindo dúvidas, fazendo intervenções quando necessário etc. Os alunos podem começar a desenvolver a fala por meio da habilidade EF06LI02, pois é possível planejarem previamente as perguntas que farão aos colegas, de modo que não precisem improvisar se não se sentirem seguros. Já a compreensão auditiva precisará se desenvolver por meio da habilidade EF06LI04, já que a identificação de pistas discursivas poderá contribuir para o bom desempenho dos alunos mesmo quando não tiverem compreendido de modo preciso aquilo que ouviram. 

Uma das habilidades introdutórias mais relevantes para a leitura é a EF06LI08, pois permite que o aluno consiga identificar as ideias principais de um texto mesmo encontrando obstáculos enquanto lê. Para observar se os alunos estão desenvolvendo essa habilidade de maneira satisfatória, é necessário propor discussões na sala após a leitura de textos, a fim de observar se eles estão recorrendo às estratégias possíveis (como buscar palavras cognatas ou termos que já conhecem, por exemplo). Ao questionar os alunos acerca dos textos lidos, perguntar também como eles chegaram às respostas, a fim de que os colegas que ainda não conseguiram realizar a tarefa possam conhecer outros caminhos para fazê-lo. Além disso, a fim de que os alunos prossigam e avancem no aprendizado da leitura, é fundamental que desenvolvam a habilidade EF06LI07, que os ajudará a compreender informações sobre um texto com base em sua estrutura. Por se tratar de uma etapa que envolve o conhecimento de mundo dos alunos e saberes que eles já começaram a desenvolver na língua materna, é importante averiguar se eles estão sendo bem-sucedidos ou se precisam de auxílio. 

Os alunos que apresentam mais dificuldades de aprendizagem podem estar sinalizando uma série de situações distintas, como: desmotivação; falta de vontade; cansaço; sentimento de incapacidade; ansiedade; falta de conhecimentos prévios etc. Por isso, é importante que o professor observe esses alunos para identificar quais são suas principais fragilidades e também as potencialidades. Desse modo, poderá criar estratégias para valorizar os saberes do aluno e impulsionar o desenvolvimento das habilidades que ainda se mostrarem desafiadoras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário