Inglês 6ºano - Projeto de acordo com a BNCC (Língua Inglesa e Arte)


Conexão com: LÍNGUA INGLESA e ARTE.

O objetivo deste projeto integrador é envolver os alunos e os professores de Língua Inglesa e Arte em atividades que façam com que os estudantes reflitam sobre a importância de se conhecer e respeitar as diferentes culturas existentes no mundo, desenvolvendo seu preparo para o pleno exercício da cidadania perante os desafios da sociedade contemporânea. Nesse sentido, os alunos vão desenvolver em grupos pesquisas sobre os sete continentes que compõem o globo terrestre, em especial sobre os aspectos culturais relacionados a artes visuais e música. Essas pesquisas serão apresentadas em uma Feira das Nações organizada na escola, na qual os professores responsáveis também colherão depoimentos dos alunos, em língua inglesa, sobre si mesmos, sua família, sua cultura e sua rotina. O material produzido na Feira das Nações será organizado pelos professores em um blog para ser utilizado com pen pals de todo o mundo e promover ainda mais a integração entre as diferentes culturas.

Justificativa
A preocupação com o pleno desenvolvimento da cidadania durante a Educação Básica está expressa não apenas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como também na Lei de Diretrizes Nacionais e na própria Constituição Federal. Por isso, é importante que se criem intencionalmente processos educativos que promovam atividades sintonizadas com os principais desafios da sociedade contemporânea, dando aos alunos um repertório para que possam atuar de forma humana, justa e inclusiva. Em uma época na qual as questões sobre imigração permeiam as principais pautas de diversos países (entre eles o Brasil), desenvolver, no âmbito escolar, um projeto que promova o conhecimento e o respeito à diversidade cultural é de extrema relevância. Assim, este projeto trabalha algumas das dimensões conceituais básicas preconizadas pela Unesco: a socioemocional, responsável pelo desenvolvimento do sentimento de pertencer a uma humanidade comum, que compartilha valores, responsabilidades, empatia, solidariedade e respeito às diferenças e à diversidade; e a comportamental, responsável pelo desenvolvimento de uma atuação efetiva e responsável, em âmbito local, nacional e global, por um mundo mais pacífico. 

Ao mesmo tempo em que possíveis preconceitos diante do diferente serão desconstruídos, os alunos vão desenvolver atividades que farão com que pratiquem e aprimorem sua comunicação oral e escrita em língua inglesa e adquiram repertório no campo da música e das artes visuais. No campo artístico, os alunos terão a oportunidade e a orientação necessária para adquirirem conhecimentos gerais sobre o tema. No campo da língua inglesa, será de fundamental importância que, por meio da mediação do professor, os alunos tenham um primeiro contato com pen pals. Esse tipo de correspondência traz o uso da língua estrangeira para propósitos autênticos, fazendo com que os alunos se engajem no seu aprendizado mesmo fora do ambiente escolar e desenvolvam habilidades de leitura e escrita.

Objetivos

  • Colaborar para a construção de uma sociedade solidária.
  • Possibilitar que os alunos reconheçam e valorizem a diversidade cultural.
  • Desenvolver as relações afetivas e de convívio entre os alunos, por meio da troca oral de informações pessoais, e de situações de negociação e resolução de problemas em trabalhos coletivos.
  • Desenvolver nos alunos a iniciativa para a expressão oral e escrita em língua inglesa e fazer com que construam repertório lexical e linguístico-discursivo para ampliar suas possibilidades comunicativas.

Competências desenvolvidas
Competências gerais da Base Nacional Comum Curricular

1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social e cultural para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e solidária. 

4. Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao diálogo, à resolução de conflitos e à cooperação.

9. Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Competências específicas de linguagens para o Ensino Fundamental

5. Desenvolver o senso estético para reconhecer, fruir e respeitar as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, inclusive aquelas pertencentes ao patrimônio cultural da humanidade, bem como participar de práticas diversificadas, individuais e coletivas, da produção artístico-cultural, com respeito à diversidade de saberes, identidades e culturas.

6. Compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares), para se comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias, produzir conhecimentos, resolver problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.

Habilidades relacionadas

Língua Inglesa
(EF06LI01)
Interagir em situações de intercâmbio oral, demonstrando iniciativa para utilizar a língua inglesa.

(EF06LI05) Aplicar os conhecimentos da língua inglesa para falar de si e de outras pessoas, explicitando informações pessoais e características relacionadas a gostos, preferências e rotinas.

(EF06LI11) Explorar ambientes virtuais e/ou aplicativos para construir repertório lexical na língua inglesa.

(EF06LI14) Organizar ideias, selecionando-as em função da estrutura e do objetivo do texto.

(EF06LI15) Produzir textos escritos em língua inglesa (histórias em quadrinhos, cartazes, chats, blogues, agendas, fotolegendas, entre outros), sobre si mesmo, sua família, seus amigos, gostos, preferências e rotinas, sua comunidade e seu contexto escolar.

(EF06LI17) Construir repertório lexical relativo a temas familiares (escola, família, rotina diária, atividades de lazer, esportes, entre outros).

(EF06LI19) Utilizar o presente do indicativo para identificar pessoas (verbo to be) e descrever rotinas diárias.

Arte
(EF69AR01)
Pesquisar, apreciar e analisar formas distintas das artes visuais tradicionais e contemporâneas, em obras de artistas brasileiros e estrangeiros de diferentes épocas e em diferentes matrizes estéticas e culturais, de modo a ampliar a experiência com diferentes contextos e práticas artístico-visuais e cultivar a percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório imagético. 

(EF69AR02) Pesquisar e analisar diferentes estilos visuais, contextualizando-os no tempo e no espaço.

(EF69AR06) Desenvolver processos de criação em artes visuais, com base em temas ou interesses artísticos, de modo individual, coletivo e colaborativo, fazendo uso de materiais, instrumentos e recursos convencionais, alternativos e digitais.

(EF69AR19) Identificar e analisar diferentes estilos musicais, contextualizando-os no tempo e no espaço, de modo a aprimorar a capacidade de apreciação da estética musical.

O que será desenvolvido
Os alunos, divididos em grupos, pesquisarão sobre as características básicas dos diferentes continentes (localização, idiomas, dados estatísticos gerais) e, a partir daí, escolherão um país como recorte para desenvolver uma pesquisa aprofundada sobre os aspectos relevantes da cultura daquela região, tendo como elementos norteadores algumas personalidades nativas que se tornaram conhecidas, bem como as artes visuais e a música. A partir dessa pesquisa, cada grupo vai elaborar uma apresentação sobre o país em que deverá expor, em diferentes linguagens (verbal e artística), um breve panorama do local. Essa apresentação será feita em uma Feira das Nações organizada na escola. Durante o evento, os professores responsáveis coletarão depoimentos dos alunos, em vídeo, sobre eles mesmos, sua rotina diária e escolar, assim como suas impressões sobre o país que estudaram. Posteriormente, os vídeos serão armazenados em um blog, a ser definido pelo professor, com o objetivo de que eles comecem a se comunicar com crianças de diferentes partes do mundo (pen pals), desenvolvendo habilidades intra e interpessoais.

Materiais

  • Mapa-múndi e/ou globo terrestre
  • Caderno
  • Lápis
  • Caneta
  • Computadores
  • Cartolina
  • Canetinhas
  • Lápis de cor
  • Giz de cera
  • Tinta guache
  • Pincel
  • Materiais diversos à escolha dos alunos, de acordo com o produto artístico desenvolvido por cada grupo.

Etapas do projeto
Cronograma

Tempo de produção do projeto: 3 semanas (2 aulas por semana).
Número de aulas sugeridas para o desenvolvimento das propostas: 6 aulas.

Aula 1: Apresentação do projeto
Iniciar a apresentação do projeto levando para a sala de aula um grande mapa-múndi ou um globo terrestre e, então, fazer algumas perguntas que levem os alunos a mencionarem diferentes países e regiões do globo, como:

  1. Qual o (a) seu (sua) cantor (a) /banda/filme/ator ou atriz/jogo/escritor ou escritora/esportista predileto? De que país ele (a) é?
  2. Vocês conhecem pessoas de outros países? Quais? Onde esses países estão?
  3. Vocês conhecem brasileiros que foram morar em outros países? Onde eles estão?
  4. Em quais países é falado o português?
  5. Em quais países o inglês é língua oficial?

A cada resposta, outras perguntas podem ser feitas, como:

  • Esse país é parecido com o Brasil?
  • Como ele é? É um país grande ou pequeno?
  • Você conhece mais alguém que seja desse país ou more lá?

É interessante aproveitar cada oportunidade para ampliar o repertório lexical dos alunos, ou seja, uma boa estratégia é ir anotando no quadro, em inglês, palavras-chave utilizadas por eles, como nomes de países, línguas, profissões e adjetivos úteis para descrever pessoas, lugares e países, além dos gentílicos. Isso facilitará o desenvolvimento do projeto quando, posteriormente, eles falarem sobre si, as pessoas e os países.

Também é importante guiar a discussão com perguntas descritivas sobre os lugares e sobre a cultura desses países. Muito da cultura que os alunos consomem é europeia e norte-americana, então, uma possibilidade de ampliar a discussão para além dos países mencionados é fazer perguntas relacionadas a esportistas (jogadores de futebol, de vôlei, maratonistas etc.). Apresentar algumas bandeiras e perguntar que país elas representam é outra possibilidade de trabalho.

Em seguida, perguntar aos alunos de onde vêm os pais deles, seus avós e bisavós. A ideia é fazer com que os alunos se sintam instigados a compreender que os brasileiros possuem diversas origens diferentes e que, mesmo em uma única sala de aula, é possível encontrar descendentes de diversas nacionalidades.

Esse é um momento importante da apresentação do projeto, pois talvez alguns alunos da turma sofram bullying por sua ascendência ou na turma haja imigrantes que se mudaram recentemente para o país. O importante, na atividade, é que os alunos compreendam que o Brasil é formado por uma forte miscigenação de diferentes povos e que as diferentes raças e culturas devem ser respeitadas. Por fim, apontar para algum ponto do mapa bem distante do Brasil e perguntar se eles acham que os nativos daquele lugar conhecem o samba brasileiro. Esse será o mote para que os alunos se interessem pela cultura de outros países.

Em seguida, cabe apresentar o projeto propriamente dito aos alunos. O professor pode dividir a sala em sete grupos e designar um continente do globo para cada um deles, de acordo com seus interesses, ou ainda fazê-lo por meio de um sorteio. Explicar que, ao longo do bimestre, eles vão desenvolver um projeto com as disciplinas Língua Inglesa e Arte sobre um país do continente escolhido ou sorteado, e terão de pesquisar sobre a cultura dele para organizar uma Feira das Nações. Posteriormente, os professores de ambas as disciplinas farão os registros das apresentações da Feira, que ficarão disponíveis em um blog da turma para ser visualizado por seus pen pals

Caso haja um laboratório de informática na escola, solicitar que os alunos façam uma pesquisa básica sobre os continentes, com tópicos como: em que parte do globo o continente se localiza; a quantidade de países de cada continente; o clima, a população total; bandeiras; e as línguas oficiais. Explicar que essa parte pode ser breve e que eles não precisam se deter muito nela. Como alguns continentes possuem muitos países, orientar os alunos no sentido de selecionar, por exemplo, o maior país ou aquele mais populoso.

Depois desse momento, apresentar os dois tópicos a seguir para aprofundar a pesquisa:

Art and culture: que tipo de arte esse país mais produz e exporta? Que tipo de música se ouve e se cria por lá? Há músicas tradicionais? Há danças típicas? Quais? Há uma produção cinematográfica que é exportada para outros países? Há produção de história em quadrinhos, jogos etc.? No campo das artes visuais, quais as principais características dessa região? Quais os principais esportes?

People: reunir o máximo de informações possível sobre personalidades que provêm daquele país; os alunos devem selecionar três ou quatro delas. Podem ser figuras públicas, artistas, intelectuais ou imigrantes.

É importante que todas as informações sobre a pesquisa sejam registradas pelos alunos, pois serão utilizadas posteriormente. Caso os alunos apresentem poucos fatos sobre os países, o professor pode apresentar algumas características previamente pesquisadas sobre eles, conforme sites informados ao final deste Projeto. Solicitar aos alunos que, na aula seguinte, tragam para sala de aula as imagens das pessoas selecionadas, das bandeiras dos países, de manifestações culturais e de paisagens marcantes do país em questão.

Aula 2: Organizando as informações
Para iniciar esta aula, reunir os alunos nos mesmos grupos e retomar as perguntas feitas na aula anterior, para que possam lembrar das informações coletadas sobre os países em sua pesquisa. Perguntar aos grupos, por exemplo, que informações sobre os países mais os surpreenderam.

Em seguida, deve-se começar a organizar essas informações para a montagem da Feira das Nações. Reunidos em grupos, os alunos devem montar um profile (perfil) do país com as basic information (informações básicas). Para isso, eles devem usar as imagens sobre o país solicitadas na aula anterior.

Distribuir o material necessário para a confecção de cartazes e, no quadro, colocar as informações que não podem faltar. A seguir, um exemplo de perfil com informações básicas sobre um país que pode ser utilizado como modelo para a criação dos cartazes.

Basic Information

Dicionários bilíngues serão úteis para consultas. Além disso, os alunos precisarão da ajuda do professor. Circular pela sala de aula sanando as dúvidas e dando as orientações necessárias.

Ao final da aula, orientar os alunos em relação ao próximo passo, que será um mergulho nos aspectos artísticos e culturais do país, principalmente no que diz respeito às artes visuais e à música, com o professor de Arte.

Aula 3: Pesquisando artes
Esta aula deve ser liderada pelo professor de Arte. Nela, os alunos devem ser levados ao laboratório de informática da escola para desenvolver uma pesquisa sobre os aspectos artísticos e culturais mais importantes do país sorteado.

Para que a experiência seja ainda mais rica, apresente aos alunos alguns sites em que podem ser feitas visitas virtuais a museus, conforme links sugeridos ao final deste Projeto.

Explicar que, além do panorama, que será útil para que eles ampliem seu repertório e conheçam novas formas de manifestações artísticas, deverão eleger um desses aspectos nas artes visuais ou na música para tratar de forma mais profunda. Por exemplo, caso os alunos estejam pesquisando a Europa, eles podem escolher um movimento como o Cubismo, importantíssimo na história das artes plásticas, ou, caso estejam pesquisando a América do Norte, um gênero musical como o rock.

O professor de Arte deve circular entre os grupos ajudando-os a compreender a importância e os aspectos constituintes das manifestações que estão sendo pesquisadas por eles. Ajudar os alunos na pesquisa e na organização das informações relevantes e, caso necessário, também na escolha de um tema específico para ser aprofundado. 

Em seguida, o professor de Arte deve explicar que a arte não se dá apenas na teoria e, a partir disso, eles deverão elaborar um produto artístico utilizando o aspecto eleito durante a pesquisa. Desse modo, se eles elegeram a França como país central, podem trazer imagens icônicas do movimento para mostrar aos demais, mas também terão de elaborar uma obra seguindo os parâmetros desse movimento; se elegeram o rock, terão que desenvolver algum tipo de apresentação musical com elementos que façam parte desse gênero. Explicar aos alunos que esse produto artístico será apresentado na Feira das Nações.

Usar a última parte da aula para orientá-los sobre que projetos artísticos eles podem desenvolver dentro do que foi escolhido por cada grupo. Os links reunidos ao final deste projeto podem ser úteis nessa orientação, por apresentarem propostas de atividades artísticas para que sejam sugeridas a eles. Enfatizar que todos os integrantes do grupo devem se envolver ativamente nessa etapa e participar da confecção desse produto artístico. 

Orientá-los a levar na aula seguinte o material necessário para desenvolver o produto artístico, sendo esse material convencional ou não. Os grupos que optarem por uma apresentação musical, por exemplo, não precisam levar instrumentos musicais necessariamente, mas podem levar materiais a partir dos quais possam ser feitas improvisações e experimentações sonoras. Caso optem por manifestações musicais, por exemplo, no site All the Instruments of the World (disponível em: <https://www.allthemusicalinstrumentsoftheworld.com/>.) os alunos poderão pesquisar os instrumentos e utilizá-los como modelo para criar os seus próprios.

Aula 4: Arte em ação
Iniciar a aula pedindo aos alunos que se reúnam com seus grupos. O professor de Arte deve verificar se todos estão em posse do material necessário para desenvolver o produto artístico.

Primeiramente, falar com a turma a respeito do que descobriram ao longo da pesquisa na Aula 3. Cada grupo deve compartilhar com os colegas suas impressões gerais sobre a atividade artística do continente pesquisado. É interessante abordar alguns dos efeitos que a globalização e os novos meios de comunicação têm no campo artístico, possibilitando a troca cada vez mais veloz de informação, mas não esquecer de sinalizar que nem sempre foi assim.

Em seguida, os grupos reunidos devem elaborar o produto artístico influenciado pelo aspecto escolhido na aula anterior. Explicar aos alunos que eles podem mesclar as principais características do aspecto escolhido com os de nossa própria cultura. Por exemplo, o samba-rock é uma mistura do gênero musical samba, típico do Brasil, com o gênero musical rock, oriundo dos Estados Unidos.

Fornecer o auxílio necessário, com materiais e observações sobre os artefatos culturais, para que os grupos concluam com êxito essa etapa.

Para a Aula 5, solicite aos alunos que tragam imagens da personalidade escolhida para cada país.

Aula 5: Personal profiles
Nesta aula, os alunos deverão elaborar dois materiais para a Feira das Nações: seu personal profile, em que devem falar sobre si mesmos, sua família, suas preferências e sua rotina, fornecendo algumas informações pessoais, e o personal profile de alguma personalidade do país escolhido.

Começar mostrando aos alunos um exemplo de personal profile como o apresentado a seguir.

Malala Yousafzai Fast Facts

[...]

Personal:

Birthdate: July 12, 1997

Birthplace: Mingora, Swat Valley, Pakistan

Father: Ziauddin Yousafzai, educator and activist

Mother: Toorpekai Yousafzai

Other Facts: The youngest recipient of a Nobel Peace Prize.

[...]

CNN library. Malala Yousafzai Fast Facts. CNN, 21 jun. 2018.
Disponível em:
<https://edition.cnn.com/2015/08/20/world/malala-yousafzai-fast-facts/index.html>. 

Com base neste modelo, os alunos deverão produzir um cartaz sobre a personalidade escolhida. Além de fotos, o cartaz deve conter informações básicas, como nome, idade, nacionalidade, data de aniversário e alguma curiosidade sobre a pessoa.

Em seguida, relembrar que essas informações podem ser transmitidas com a utilização do verbo to be. Pode ser interessante, nesse momento, fazer uma espécie de jogo: dizer aos alunos que eles têm três minutos para escrever o máximo de informações sobre si mesmos usando esse verbo. Quem escrever mais informações ganha a brincadeira. Em seguida, pedir que compartilhem com a turma que tipo de informações eles conseguiram escrever; por exemplo: 

Name (My name is _____________.)

Age (I am ___________ years old.)

Nationality (I am _________.)

Preferences (My favorite _________ is ____________.)

Color (My favorite color is ____________.)

Pet (My favorite pet is ____________.)

Song (My favorite song is ____________.)

Book (My favorite book is ____________.)

Anotar esses tópicos no quadro, como uma espécie de guia a ser seguido. Repetir a atividade em relação ao Brasil: que informações eles conseguem passar sobre o país usando o verbo to be? Algumas possibilidades de abordagem são:

Brazil is a big country.
Brazil is a tropical country.
Brazil is in America.
Brazil is beautiful.

Na etapa seguinte, pedir aos alunos que escrevam frases sobre os diferentes países que pesquisaram.

Depois, orientar que os alunos transformem essas frases soltas e categorias de informação em um texto de apresentação pessoal sobre si mesmos, o seu país e o que sabem acerca dos países pesquisados. Apresentar um texto como modelo para que os alunos possam segui-lo. Dar um tempo para que todos os grupos realizem a atividade.

Uma sugestão é mostrar aos alunos, antes da produção dessas frases, vídeos de pessoas de sua faixa etária se apresentando em inglês.

Após a atividade, planejar a apresentação oral em forma de roteiro. Após a escrita, os alunos devem compartilhar suas produções com os colegas, que darão suas sugestões de melhoria.

Na parte final da aula, pedir a cada aluno que faça essa apresentação oralmente para o restante da turma, com possibilidade de outros ensaios antes da apresentação final em sala de aula. Explicar que, no dia da Feira das Nações, eles repetirão essa apresentação. Orientá-los a praticar a apresentação oral em casa.

Aula 6: Feira das Nações e os pen pals
Antes da realização da Feira das Nações, os professores responsáveis devem entrar em contato com escolas internacionais que tenham um programa de pen pal, no qual os alunos possam ter contato, pela internet, com crianças estrangeiras da mesma faixa etária, tendo assim a possibilidade de interagir em inglês. Ao final deste projeto, há diversas sugestões de sites em que é possível encontrar programas desse tipo.

A Feira das Nações propriamente dita pode ser um evento que envolva apenas os sextos anos, de acordo com a rotina e a organização de cada escola, como uma atividade das disciplinas Língua Inglesa e Arte. Cada grupo deve ter um espaço para colocar seus cartazes sobre o país estudado e falar sobre ele com os demais alunos, desenvolvendo assim suas habilidades orais em língua inglesa. Cada grupo também deve ter um tempo para apresentar o produto artístico desenvolvido a partir do que foi pesquisado em Arte e também pra apresentar o perfil da personalidade escolhida. 

Passar pelos grupos observando o empenho e a seriedade que estão dedicando à atividade. Após ouvir as explicações, pedir aos alunos que, ainda em inglês, se apresentem e falem um pouco sobre si mesmos e sobre o Brasil. 

Essas apresentações devem ser gravadas em vídeo e posteriormente publicadas pelos professores em um blog da turma.

Avaliação por aula
Proposta de avaliação
  1. Participação: os alunos mostraram interesse na aula e participaram ativamente das discussões
  2. Engajamento: os alunos realizaram a pesquisa e levaram as imagens requisitadas?
  3. Produto final: como ficaram os cartazes? As informações relevantes foram contempladas? 
  4. Engajamento: os alunos participaram da pesquisa e demonstraram interesse no levantamento de dados? 
  5. Projeto: o produto artístico que eles se propuseram a desenvolver é interessante e viável?
  6. Participação e engajamento: os alunos se empenharam em desenvolver o produto artístico e respeitaram os colegas?
  7. Projeto: o resultado final do produto artístico foi satisfatório?
  8. Participação: os alunos se empenharam nas atividades e respeitaram os turnos de fala dos colegas? 
  9. Repertório linguístico-discursivo: o texto produzido e a apresentação oral foram satisfatórios?
  10. Avaliação do produto final do projeto: apresentação durante a Feira das Nações. Considerar a participação de cada aluno, a seriedade com a proposta, a postura ao longo do evento, a qualidade do material apresentado e a relevância das informações selecionadas.
Avaliação final
Este projeto permite que uma série de fatores sejam levados em consideração na avaliação. Ele envolveu várias atividades em grupo, que são uma ótima oportunidade de observar se os alunos estão se respeitando, se há capacidade de negociação e resolução de conflitos entre eles, além de respeito às ideias divergentes, entre outros aspectos. Além disso, as atividades exigiram grande participação e engajamento de cada aluno. O empenho deles em participar e em prestar atenção nos momentos expositivos deve ser considerado. 

Para auxiliar ainda mais o processo de avaliação, os produtos finais podem ser úteis: os cartazes elaborados, o produto artístico desenvolvido, o texto de apresentação e, por fim, a criação de um vídeo para a Feira das Nações.

Também é interessante propor aos alunos que façam uma autoavaliação. Sugerimos um modelo como o que segue:


Sugestões de materiais para pesquisa dos alunos

Sites para as pesquisas dos alunos
Kid World Citizen. 
<https://kidworldcitizen.org/category/music/>. 

Sites para cadastrar a escola em busca de pen pals
Penpal International.<https://ppi.searchy.net/>. 
Penpal World. <https://www.penpalworld.com/>. 

Sites para fazer visitas virtuais a museus
Australian Museum (Austrália). 
<https://australian.museum/visit/admission/>.
 
Museu Casa de Portinari (Brasil). 
<https://www.museucasadeportinari.org.br/>.
 

Referências bibliográficas complementares
BARBOSA, A. A. T. B. O ensino de artes e de inglês: uma experiência interdisciplinar. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Disponível em:

BRITO, I. Conceitos de cultura e competência: contribuições para um ensino crítico de inglês no contexto brasileiro. 1999. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Unicamp, Campinas, 1999.

PINTO, A. Ensino-aprendizagem de inglês no século XXI: principais inovações. Gelne, v. 2, n. 1, p. 83, 2000.

THIMOTEO, M. A. P. Presença das artes visuais no ensino da língua inglesa. In: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor – Artigos. Cadernos PDE, v. 1, 2013. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário